iFolha - Os múltiplos talentos de Marco Nanini

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 15 de Julho de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 14/07/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 27 de Maio, 2019 - 10:12
Os múltiplos talentos de Marco Nanini

Marco Nanini e Juliana Paes fazem uma dupla e tanto, em “A Dona do Pedaço”, na pele de seus personagens Eusébio e Maria da Paz. Ele é o maior incentivador dela e foi um dos primeiros a enxergar a força e o potencial de Maria da Paz / João Miguel Jr-RG



De volta às novelas, Marco Nanini interpreta Eusébio, um personagem à primeira vista caricato, no entanto ele traz consigo leveza de alma e uma grande lição para ser ensinada aos seguidores da trama / João Miguel Jr-R

 


 

Marco Nanini é um ator de múltiplos talentos e isso o público já sabe. Assim, não poderia ser diferente agora que ele está na novela “A Dona do Pedaço” interpretando Eusébio, um homem corajoso que não se deixa abater pelas adversidades da vida.

E tanta coragem só poderia resultar em coisa boa quando ele se juntou a Maria da Paz (Juliana Paes) e incentivou a moça a exercer os seus talentos na cozinha e a vender os seus bolos na rua, de porta em porta. Dois otimistas a toda prova!

Na pele de Eusébio, Marco Nanini liderou sua família quando foram despejados e precisaram viver na rua. Sem medo de ser feliz, Eusébio viu em um imóvel abandonado à chance de dar um teto para sua mulher, Dorotéia (Rosi Campos), para os filhos, para a mãe Cornélia (Betty Faria) e para o padrasto Chico (Tonico Pereira) e assim conheceu Maria da Paz e Marlene (Suely Franco). E o tempo passou, as crianças cresceram e a vida foi mudando. Melhorando. Será mesmo que melhorou? Ou foram os problemas que se tornaram outros?

Problema? Essa palavra não existe no dicionário de Eusébio.

Nascido Marco Antônio Barroso Nanini, em Recife, capital do Pernambuco, no dia 31 de maio de 1948, Marco Nanini, como é conhecido, antes da fama trabalhou em um banco e em um hotel, até que sentiu o gostinho de atuar pela primeira vez em uma peça infantil no ano de 1965.

Seu primeiro papel na televisão foi em 1969, como um figurante, lutador de esgrima na novela "A Ponte dos Suspiros" da Rede Globo. A partir dos anos 70 fez filmes para o cinema e com o passar dos anos até o final da década 90 esteve envolvido na produção de novelas na Rede Bandeirantes, na extinta Rede Tupi e em sua maioria na Rede Globo, fazendo uma carreira de sucesso na telinha. No ano de 1986 estreou a peça “O Mistério de Irma Vap”, montagem protagonizada junto com Ney Latorraca e reconhecida pelo Guinness Book como a peça que manteve o mesmo elenco por mais tempo, sendo 11 anos em cartaz.

Na época em que estava atuando em “A Ponte dos Suspiros”, o ator foi convidado por Dary Reis para entrar na companhia de teatro de Dercy Gonçalves. Tendo aceitado, ao lado da grande atriz fez várias peças.  A paixão pelos palcos falou mais alto, mas ele voltaria à TV pouco depois, para não mais sair.

O primeiro papel de destaque de Marco Nanini na televisão foi interpretar o cineasta Julinho da novela “O Cafona”, exibida em 1971. “Eu nunca tinha trabalhado num papel com a importância que o Julinho teve. Durante muito tempo, fiquei intimidado pelas câmeras. Meu habitat era mais o teatro”, revela o ator.

A novela “O Primeiro Amor”, de Walther Negrão, marcou muito a memória de Nanini. É que o protagonista da trama, interpretado por Sérgio Cardoso morreu durante as gravações e teve que ser substituído por outro ator, abalando assim todo o elenco da novela.

Na Globo fez muitas novelas de sucesso, mas Marco Nanini também se destacou no humorístico “TV Pirata” de 1988. Apesar de sua passagem pelo “TV Pirata” ter sido curta, ela marcou o início de sua produtiva parceria com Guel Arraes. Nanini trabalhou em vários projetos do diretor, em séries como “Terça Nobre”, “A Comédia da Vida Privada” e especiais como “Brava Gente”.

Entre 2001 e 2014, o ator viveu o Lineu no remake do seriado “A Grande Família” e até hoje é lembrado por este personagem. “Eu sofri bastante para compor o Lineu, porque nunca tinha feito uma sitcom”, revela Nanini.

E falando no “A Grande Família”, atualmente Marco Nanini está atuando como narrador da série “O Álbum da Grande Família”, que a Globo exibe todos os dias, a partir das 15h30, com os melhores momentos do seriado.

Em 2011, Nanini aceitou o desafio de protagonizar a minissérie “O Bem-Amado”, como personagem Odorico Paraguaçu, o prefeito de Sucupira que foi eternizado por Paulo Gracindo, no início da década de 80. A minissérie inicialmente foi exibida nos cinemas como um longa-metragem e depois foi reeditada por Guel Arraes para estrear na televisão com cenas extras. Ainda teve os personagens Pancrácio e o Pandolpho, que tanto sucesso fez novela “Êta Mundo Bom!”, no qual o ator deu show de caracterização.

Em entrevista a uma famosa revista, o ator admitiu ter tido experiências homossexuais. Nanini nunca se casou e também não tem filhos. Agora, de volta às novelas, Nanini promete mais um show para o telespectador.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
14 de Julho, 2019
Vídeo criticando caos na Saúde com cenas de jornalista chorando viraliza na internet - 120
14 de Julho, 2019
Bueiro sem tampa derruba e fere motociclistas na Américo Battaus - 167
14 de Julho, 2019
Polícia registra quatro casos de suicídio em uma semana - 612
14 de Julho, 2019
Cadeirante de 73 anos cai no golpe do “falso parente” - 142
14 de Julho, 2019
Lavador morre em batida frontal entre Gol e Corsa próximo a Altair - 542


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       




























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites