iFolha - Lelo condenado a dez anos por participação na “Máfia do ISS”

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 24 de Maio de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 23/05/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 15 de Abril, 2017 - 21:01
Lelo condenado a dez anos por participação na “Máfia do ISS”

Da redação com Diário da Região

O juiz da 25ª Vara Criminal de São Paulo, Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira, condenou a dez anos de prisão Marco Aurélio Garcia, conhecido por Lelo, irmão do deputado federal licenciado e atual secretário estadual da Habitação, Rodrigo Garcia (DEM), que é o mentor político do ex-prefeito de Olímpia, Eugênio José Zuliani.

Marco Aurélio, que é casado com uma olimpiense, foi condenado por participação na chamada “Máfia do ISS”, esquema revelado na durante a gestão do ex-prefeito da Capital Fer­nando Haddad (PT). O irmão do deputado foi condenado por lavagem de dinheiro.

Além dele, os ex-fiscais da Prefeitura Ronilson Bezerra e Eduardo Barcello também foram condenados a dez anos pelo mesmo crime. O ex-fiscal Fábio Remesso foi condenado a seis anos de prisão. Os três teriam ligações com “Lelo”.

De acordo com denúncia do Ministério Público o esquema envolvia funcionários da Prefeitura em ação conjunta com lobistas e despachantes. A “máfia” é acusada de desviar R$ 500 milhões dos cofres da prefeitura paulistana.

Segundo a decisão, Marco Aurélio Garcia, é sócio da empresa ZG Consulting Consultoria e Gestão Empresarial Ltda., que teria ligações com os fiscais condenados, emitiu notas fiscais fictícias. “Independentemente do fato do mesmo (Marco Aurélio) ser um empresário reconhecido na sua área, não deixou de concorrer para o esquema de corrupção e de lavagem de dinheiro dos acusados Ronilson, Fábio e Eduardo.

ESTRUTURA FÍSICA

Observa-se que o acusado forneceu a estrutura física de escritório para operações do grupo, onde valores foram encontrados e apreendidos. Além disso, o acusado tinha participação e influência em empresas que forneceram notas fiscais para as operações de ‘branqueamento de capitais’, afirma trecho da decisão. O juiz decidiu que os condenados poderão recorrer em liberdade.

Procurado por meio de sua assessoria, o secretário Rodrigo Garcia, não se manifestou sobre a condenação do irmão. A defesa de Marcus Aurélio Garcia não foi localizada para falar sobre a condenação. À Justiça, Lelo negou ter participação no esquema criminoso.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
23 de Maio, 2018
Ajudante para o carro e leva facada no pescoço - 273
21 de Maio, 2018
Orquestra do Sesi regida pelo maestro João Carlos Martins lota igreja da Matriz às 11 horas do domingo - 157
21 de Maio, 2018
Luciano Zangirolami venceu a 16.ª etapa da Fórmula Inter domingo em Interlagos - 39
21 de Maio, 2018
No palco - 91
21 de Maio, 2018
A bolsa nossa de cada dia - 55


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites