iFolha - Justiça absolve Geninho em ação por improbidade no caso GEPROM

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 21 de Fevereiro de 2020
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 18/02/2020
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 09 de Fevereiro, 2020 - 18:20
Justiça absolve Geninho em ação por improbidade no caso GEPROM

ADMINISTRAVA A UPA!        Juiz entendeu que não houve dano ao erário público no convênio realizado.

Promotor vai analisar o caso para ver se cabe recurso em segunda instância.

DA REDAÇÃO COM ASSESSORIA

O deputado federal Geninho Zuliani, do DEM/SP e a coordenadora regional de Saúde da DRS-15, Sílvia Forti, foram absolvidos pela Justiça Cível em ação impetrada pelo Ministério Público de Olímpia em sentença prolatada no final de janeiro.

No entendimento do juiz Lucas Figueiredo Alves da Silva, da Segunda Vara Cível do Fórum da Comarca de Olímpia, não haveria, na ação proposta, nenhuma prova de dano ao erário ou caso concreto que corroborasse a condenação de ambos por danos ao erário.

Segundo a ação civil pública, encabeçada pelo MP, durante a gestão de Geninho como prefeito, um convênio firmado entre a prefeitura de Olímpia e o Instituto de Gestão de Projetos da Noroeste Paulista, de Araçatuba-SP, o GEPRON, teria provocado danos ao erário devido a renovações e aditivos.

A parceria, na época, objetivava o desenvolvimento de projeto de assistência em saúde e projeto de pronto atendimento – UPA. Porém, após toda a tramitação na esfera cível, no entendimento do Lucas Figueiredo Alves da Silva, a ação não era procedente. 

“No caso concreto, não há qualquer prova do dano. Aliás, o próprio Ministério Público não nega que os serviços foram prestados, valendo destacar que sequer se cogitou de, por exemplo, desvio de recurso, falta de cumprimento do horário, falsificação de documentos atestando a presença de médicos etc. nenhuma irregularidade foi apresenta, presumindo-se que não houve dano ao erário”, frisa na sentença.

No Ministério Público local a informação obtida na tarde de sexta-feira, 07, foi a de que o promotor que está encarregado do caso deverá analisar o caso esta semana para saber se recorrerá ou não ao Tribunal de Justiça de São Paulo (segunda instância).

Para basear a decisão, o juiz utilizou decisões similares, relativas à área de saúde, tomadas pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, em outros municípios brasileiros.


 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
18 de Fevereiro, 2020
Mais um médico - 95
18 de Fevereiro, 2020
Mexa os músculos sem hora marcada - 83
18 de Fevereiro, 2020
Mariana Fagundes lança “Tá Melhor que Antes” - 77
18 de Fevereiro, 2020
Bit Boys - Uma História Sobre Estar Certo na Hora Errada - 88
17 de Fevereiro, 2020
Batata Assada com Casca Crocante - 106


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       














Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites