iFolha - Prevenindo-se contra a caxumba

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 12 de Dezembro de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 09/12/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 26 de Agosto, 2019 - 14:32
Prevenindo-se contra a caxumba

A caxumba é tida como doença típica do Inverno e Primavera, é viral e seus sintomas podem ser confundidos com gripe ou dengue.  A boa noticia é que são raros os casos de reinfecção, ou seja, quem já teve a doença – ela geralmente acomete crianças – raramente vai tê-la novamente, mesmo que entre em contato com o vírus que é altamente contagioso.

Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), a caxumba que geralmente é transmitida em locais com aglomeração de pessoas e assim como a gripe, é transmitida por gotículas de saliva ou secreção respiratória. E mais, existem diversos mitos e verdades que envolvem a caxumba, principalmente quando se fala em esterilidade, que é muito rara nos pacientes. Outro fato é a vacinação, já que mesmo as pessoas vacinadas na infância podem contrair novamente o vírus, pois nenhuma vacina tem 100% de eficácia, porém continua sendo a melhor forma de prevenção.

Além de recomendar a vacinação, a SBMFC reforça o papel da comunidade e médicos quando se trata do manejo de pacientes e de medidas preventivas, sendo que a identificação precoce da doença ainda é o melhor caminho para se evitar as complicações que a caxumba pode trazer a pessoa infectada, principalmente se for adulta.

Saber como ocorre a caxumba é importante. A caxumba pode ter sintomas parecidos com os da gripe ou dengue; como a maioria das doenças virais, a caxumba pode cursar com sintomas gerais e inespecíficos como febre, dor de cabeça, dor muscular e dor no corpo.

Os períodos de maior propagação são Inverno e Primavera. Por ser um vírus, a caxumba tem a propagação facilitada por aglomerados de pessoas. O paciente com caxumba precisa ficar isolado durante alguns dias, para se evitar a propagação do vírus que acontece facilmente.

Os objetos utilizados pela pessoa contaminada precisam ser desinfetados.  Para evitar a transmissão da doença às pessoas que convivem com o paciente, utensílios, como talheres, pratos e copos, devem ser lavados com água e sabão. Não são necessárias medidas adicionais aos cuidados de higiene que são recomendados habitualmente.

As crianças estão mais vulneráveis a contrair o vírus. No entanto, pessoas de todas as idades estão propensas a contrair o vírus.

Aglomerados de pessoas são propícios de contaminação, tais como escolas, creches, abrigos, transporte público etc são lugares que podem facilitar a contaminação, assim como são propícios à proliferação da gripe e outras doenças.

No caso da caxumba, não existe grupo de risco, mas sim a exposição aos fatores de risco. A doença, apesar de altamente contagiosa, é de tratamento relativamente fácil, mas requer atenção dos profissionais de saúde porque podem ocorrer complicações importantes, tais como inflamação dos testículos, inflamação de ovários, e ainda raras inflamações no sistema nervoso central.

A vacina ainda continua sendo o melhor remédio.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
09 de Dezembro, 2019
Não é fácil para ninguém - 234
09 de Dezembro, 2019
E vem chegando o Verão - 308
09 de Dezembro, 2019
Kevin O Chris libera a primeira parte do DVD “Evoluiu” - 233
09 de Dezembro, 2019
O filme Uma Esperança de Natal já está disponível! - 229
09 de Dezembro, 2019
Bolo de Nozes com Passas e Canela - 239


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites