iFolha - Ponte do rio Cachoeirinha, ou, com a internet não há mais o que esconder

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 12 de Dezembro de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 09/12/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 18 de Agosto, 2019 - 15:55
Ponte do rio Cachoeirinha, ou, com a internet não há mais o que esconder

Do Conselho Editorial

Perdido em seus devaneios autoritários, focado em suas intenções arbitrárias, intentando a implantação do pensamento único, o prefeito Fernando Cunha, que sabe tanto, parece não saber o principal.

Bom momento para lembrar o texto comercial que é do seu tempo, “o tempo passa, o tempo voa” e acrescentando, e nada será como antes no quartel de Abrantes.

Ninguém se banha duas vezes no mesmo rio, apenas os coronéis continuam em seus labirintos, desejando o exercício de um autoritarismo que os distancia da realidade e os aproxima da demente sensação do mando sobre tudo e sobre todos.

E é nesta fantasia, neste surrealismo, neste dadaísmo que gira infantis sentimentos de dominar o mundo e as pessoas que na bolha, olhando para o umbigo, centro de seu universo de dominação, que o majestoso não percebe sua nudez.

Os súditos paupérrimos de sua realeza em farrapos, pelas ruas abandonadas da periferia, gritam seu desencanto pelo abandono e pelas mazelas produzidas pelo governante das elites e ele, surdo, mudo e cego, mostra-se desatento a qualquer realidade que não seja a que deseja impor.

E a cada dia cresce o número daqueles que percebem a diferença dispensada aos bairros que abrigam a elite conservadora do reinado e os onde moram os desafortunados, os esquecidos, o lumpesinato.

Tapetes vermelhos são estendidos por onde trafegam os turistas e nos subúrbios a preocupação é pontual, ou seja, ca da caso que é apresentado pela população nas redes sociais, na sequência, uma improvisada solução é apresentada como se fora este o governo dos improvisos e dos remendos, muitas vezes vexatórios e comprovantes de uma incapacidade de intervenção fantástica.

E vai pipocando outras situações que demonstram que as gambiarras ou são feitas na correria, sem técnica alguma, ou estudo prévio, ou o respeito pelo dinheiro público é zero.

E o resultado são ruas que passaram por consertos recentes cujos trabalhos são revistos, canalizações explodindo e jogando esgoto no rio Olhos D’água, obras paralisadas e invadidas e um sem número de casos onde a solução pareceu mais ampliação de problemas que tudo.

E o cidadão comum, quando dá uma esticada de pernas na rota que conduz o turista ao merecido lazer de sua família, percebe que os serviços ali prestados pelo município atingem patamares de beleza e excelência que deveriam estar presentes em todos os outros.

E cresce a sensação de que o reizinho centra­lizador e autoritário não se preocupa com o sofrimento do seu povo, que seu foco é a renda, o capital, o retorno do que investe em obras nos interesses econômicos que porven­tura possa ter no reino.

Nem tudo são flores no paraíso das rosas, há alguns espinhos e são eles que muitas vezes definem a relação a se ter com o jardineiro.

No jardim do autocrático reizinho principia o período de manutenção, ou sucessão no cargo e para continuar reinando terá que se curvar ao populacho que demonstra desprezar, dependente que é de votos.

 Talvez imagine que dar brioches à ralé insignificante amenize seus descontentamentos, quem sabe circo e para isto imaginam os coronéis basta à bolsa cheia e a boca faminta da pobreza.

Pode ser e pode não ser este o pensamento do ditador de plantão. Mas, sendo ou não sendo, se aproximam as eleições e a cada dia cresce a insatisfação nas redes sociais e o número de insatisfeitos.

Um incidente banal, que possivelmente os pífios marqueteiros do rei nem imaginariam que viria a público, e veio, deveria dar a sinalização da mudança de comportamento e das possibilidades que as pessoas têm para divulgar seus pensamentos.

Escondido debaixo da recém-reformada ponte do Rio Cachoeirinha pilastras de sustentação da ponte em condições que podem evidenciar a possibilidade de risco pra quem trafegar sobre ela.

Alguém mais curioso foi lá, detectou, fotografou e postou nos Facebooks e WatsApps da vida e de certa maneira causou uma discussão no mínimo desgastante para o ocupante do trono.

As desculpas sobre mais este incidente parecem apenas mais do mesmo e convence quem sobrevive do farelo que cai da mesa do poderoso.

No fundo é mais uma solução pontual que deveria alertar ao ocupante do trono que os tempos são outros, mesmo que sua cabeça seja a mesma de outrora, dos tempos dos coronéis.

A lição que resulta da reforma coruja, meia boca, que fizeram na Ponte do Cachoeirinha aponta que, com a internet, não há mais o que esconder, mesmo que esteja embaixo da ponte.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
09 de Dezembro, 2019
Não é fácil para ninguém - 220
09 de Dezembro, 2019
E vem chegando o Verão - 289
09 de Dezembro, 2019
Kevin O Chris libera a primeira parte do DVD “Evoluiu” - 215
09 de Dezembro, 2019
O filme Uma Esperança de Natal já está disponível! - 208
09 de Dezembro, 2019
Bolo de Nozes com Passas e Canela - 224


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites