iFolha - Bacamarteiros poderão dar tiros à vontade durante Fefol

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 12 de Dezembro de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 09/12/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Cidade em Destaque
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 28 de Julho, 2019 - 20:57
Bacamarteiros poderão dar tiros à vontade durante Fefol

Em razão de se tratar de uma atividade cultural in­serida há décadas no evento, o Batalhão de Bacamar­teiros, da cidade de Car­mó­polis, que foi confirmado nesta semana pela organização do 55º Festival do Folclore, poderão disparar quan­tos tiros quiserem, durante sua estadia na Estância Turística de O­lím­pia, para participar do 55.º Festival Nacional do Folclore (Fefol), que começará no sábado da próxima semana, dia 3. A lei municipal que existe em Olímpia proíbe apenas a soltura de foguetes.

A confirmação do grupo se deu junto com os anúncios da vinda do junto com o Parafuso e Lavadeira, ambos da cidade de Lagarto. Trata-se de três dos mais tradicionais grupos folclóricos do Brasil que sempre se apresentam na cidade.

Neste ano, o FEFOL será realizado de 03 a 11 de a­gosto, com entrada gratuita, no Recinto de Exposições e Praça de Atividades Folclóricas e Turísticas “Pro­­fessor José Sant­’anna”.

As atividades do Baca­mar­­teiros surgiram por volta de 1780, com um grupo no qual os negros dos engenhos de cana-de-açúcar, do Vale do Cotin­gui­ba, brincavam de roda e atiravam com uma arma artesanal conhecida como Bacamarte.

Atualmente, o Batalhão de Bacamarteiros possui 60 integrantes, entre homens, mulheres e crianças. Os instrumentos musicais são fabricados com a madeira do jenipapo, couro de animais e sementes.

Para fabricar a pólvora, é utilizado o carvão produzido a partir da umbaúba, cachaça e enxofre. Durante os festejos juninos, a­con­tece o ritual do Pisa Pólvora para comemorar os Santos do mês.

A musicalidade e o ritmo contagiante encantam todos que assistem às a­pre­sentações do grupo pe­lo país.

O Batalhão de Bacamar­teiros exibe a riqueza da cultura africana disseminada por aquela região e é uma marca inconfundível da cultura de Carmópolis. O grupo se apresenta nas festas juninas, embele­zan­do o município com a alegria das roupas, com o barulho dos tiros e a graciosi­dade da dança e dos re­pen­­tes. Nas ruas, o colorido especial das bandeirinhas, balões e fogueiras enfeitam a cidade nas festividades.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
09 de Dezembro, 2019
Não é fácil para ninguém - 234
09 de Dezembro, 2019
E vem chegando o Verão - 308
09 de Dezembro, 2019
Kevin O Chris libera a primeira parte do DVD “Evoluiu” - 233
09 de Dezembro, 2019
O filme Uma Esperança de Natal já está disponível! - 229
09 de Dezembro, 2019
Bolo de Nozes com Passas e Canela - 239


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       
























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites