iFolha - A nutrigenética a serviço da beleza e bem-estar

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 22 de Julho de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 21/07/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 11 de Março, 2019 - 09:43
A nutrigenética a serviço da beleza e bem-estar

Os alimentos estão novamente na berlinda. Cientificamente a nutrigenética quer provar que os indivíduos possuem necessidades específicas de nutrientes. Tudo calculado a partir de um teste de DNA / GB Imagem



Saber fazer as escolhas corretas na hora da alimentação fará toda a diferença. Tanto na saúde como na beleza do corpo / GB Imagem

 

 

A nutrigenética ainda é novidade, mas tem sido apontada como um importante instrumento para aumentar a longevidade. Mas afinal, o significa isso?

A nutrigenética promete explicar a reação que o organismo humano tem com relação aos alimentos que ingere. E cada pessoa reage de modo diferente à ingestão de um mesmo alimento.

Entender isso é fundamental para se evitar doenças, como diabetes, cardiopatias e câncer. De quebra, através da nutrigenética pode-se ainda retardar os efeitos dos famigerados radicais livres e ficar com aparência jovem por mais tempo. E quem não quer isso?

Abordar como a alimentação nos ajuda a ter uma vida mais saudável e prolongada não é assunto novo. Mas a nutrigenética vai além. Considerada uma ciência relativamente nova dentro da área da Nutrição, o conceito está baseando no estudo de como pequenas alterações na sequência de genes podem modular, em alguma extensão, o metabolismo, fazendo com que os indivíduos respondam em graus diferentes à ingestão de determinados nutrientes.

Especialistas neste assunto explicam que tal ciência estuda como a influência da variabilidade genética interfere na resposta individual à alimentação. De maneira mais simples, isso quer dizer como o nosso DNA responde a nossa alimentação e o que e quanto devemos comer para postergar ou reduzir o risco do desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, principalmente síndrome metabólica, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

Tudo é feito a partir de um teste do DNA que usa tecnologia de alta geração e por isso ainda não está tão acessível devido ao seu alto custo. É possível identificar, por exemplo, os genes associados à obesidade, risco do desenvolvimento de Diabetes, hipertensão arterial, metabolismo de Vitamina D, intolerância à lactose, regulação do metabolismo e através destes resultados prevenirem os riscos a partir de alimentação correta.

Como dito anteriormente, o mapeamento genético ainda não é acessível a todos, mas os especialistas em Nutrição garantem que o investimento neste tipo de tratamento vale a pena, ele é feito apenas uma vez na vida e traz benefícios para a saúde e bem-estar ao longo do tempo.

O mapeamento genético determina quais são as necessidades nutricionais. Os nutrientes contidos nos alimentos são capazes de interagir com o genoma e alterar o organismo para este seja capaz de reagir individualmente contra algumas doenças crônicas e ainda estimula o bom estado da saúde.

Este assunto vem despertando cada vez mais o interesse da comunidade científica e pode fazer grande diferença quando o assunto é emagrecimento, por exemplo. Milhões de pessoas no mundo inteiro travam verdadeiras batalhas contra o seu próprio apetite na tentativa de manter o que se chama de “peso ideal”, isto é a quantidade de gordura no corpo compatível com o biotipo de cada um. Mil e um cardápios emagrecedores são testados e a cada dia aparece um componente nutricional novo que promete acelerar o organismo e assim perder peso com mais facilidade. É certo que muitos conseguem resultados satisfatórios sem grandes

prejuízos à saúde, mas é certo também que outro tanto de pessoas desenvolvem doenças de ordem psíquicas, como bulimia ou anorexia, em nome da boa forma; se não chegam a este extremo de experimentarem doenças tão graves, correm outros sérios riscos provenientes de desnutrição devido à alimentação desiquilibrada ou exageradamente restritiva.

A possibilidade de, através de um teste de seu próprio DNA, conhecer quais são as reais necessidades alimentares do organismo, certamente fará grande diferença.

É um avanço na ciência que veio para ficar. É bom estar de olho nesta nova tendência e entender que é assunto de gente especializadíssima em Genoma e Nutrição.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
21 de Julho, 2019
Olímpia disputa 19 modalidades nos Jogos Regionais de Franca - 119
21 de Julho, 2019
Poste para monitoramento é arrancado no Jardim Santa Fé - 247
21 de Julho, 2019
Ex-vereador Marco Santos se entrega e é encarcerado no CDP de Rio Preto - 390
21 de Julho, 2019
Marcado julgamento de Celso Teixeira para início de agosto - 499
21 de Julho, 2019
Ladrão agride e rouba quase R$ 1 mil de aposentada em sua casa no centro - 218


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       


























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites