iFolha - É seguro dirigir durante a gestação?

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 19 de Novembro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 19/11/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 10 de Julho, 2018 - 11:31
É seguro dirigir durante a gestação?

O assunto parece ser pouco debatido, mas merece reflexão. Até que mês da gravidez a mulher deveria dirigir veículos?

A questão não está prevista no Código de Trânsito Brasileiro e vale analisar as condições individuais de cada gestante e sua rotina diária.

Há quem garanta que as mulheres grávidas têm mais chances de se envolverem em acidentes graves de trânsito e isto se intensifica após o quarto mês de gestação. O motivo seria os fenômenos característicos da gravidez, tais como náuseas, cansaço e ansiedade etc.

No entanto, há quem discorde disso, já que a gravidez produz tais sintomas, mas as sensações variam entre as mulheres grávidas. Assim, a conclusão é que a decisão cabe à gestante, que deve sentir-se segura e confortável para fazê-lo. A partir do momento que isso se torna um problema, ela deve parar.

Independente do perfil da gestante há cuidados essenciais a todas elas. A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET) reuniu em uma cartilha orientações para o transporte de crianças e gestantes. Baseados nessa cartilha, vão aqui algumas recomendações.

O cinto de três pontos é o ideal para a grávida, que deve ajustá-lo de maneira confortável e deixar uma distância mínima de 15 centímetros entre o volante e a barriga. Evitar jejum, calor ou frio excessivos, e longas distâncias são outras recomendações importantes, assim como cuidar das medicações ingeridas.

Além do enjoo, náusea e distração, a intensidade de emoções também traz desdobramentos à condução de veículos. Esta fragilidade, contudo, não é exclusividade das gestantes. Estudos apontam que dirigir em estado emocional alterado aumenta em quase dez vezes os riscos de colisões. Para se ter ideia, este número dobra ao associar o celular à direção. Dentre as emoções listadas pelos pesquisadores como as de mais risco estão a raiva, a agitação e a tristeza.

As causas de acidentes de trânsito podem ser remotas ou imediatas. As primeiras envolvem o caráter e a formação do condutor, além da manutenção do veículo. No segundo caso, estão a via, a sinalização e a ansiedade aguda, sobretudo no que se refere à paciência. Vale lembrar que a ansiedade pode estar relacionada a momentos alegres da vida. Por exemplo, é comum estar ansioso nas horas que antecedem uma grande viagem ou um encontro amoroso. Tal estado de ansiedade pode alterar os reflexos e comprometer o raciocínio lógico.

Uma gestação enquadra-se perfeitamente nessa lista de possibilidades, daí o bom senso deve falar mais alto. E sempre sob a orientação do médico obstetra que acompanha a gravidez e a gestante. 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
19 de Novembro, 2018
A grande revelação - 21
19 de Novembro, 2018
Desenvolvendo a resistência e a força do corpo com o CrossFit - 16
19 de Novembro, 2018
O CD Loko! – Wanessa Camargo já chegou nas lojas - 17
19 de Novembro, 2018
O filme Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo chegou nas locadoras - 15
19 de Novembro, 2018
Cuca de Amora - 13


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites