iFolha - Abdominoplastia é uma das três cirurgias mais realizadas no Brasil

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 22 de Outubro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/10/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 19 de Março, 2018 - 12:52
Abdominoplastia é uma das três cirurgias mais realizadas no Brasil

O nome parece complicado, abdominoplastia, mas trata-se de uma cirurgia indicada para pessoas que têm excesso de pele na região do abdômen. Segundo especialistas em cirurgia plástica, a intervenção é indicada para mulheres que tiveram mais de dois filhos e para as pessoas que perderam muito peso resultando em grande excesso de pele.

O Brasil é recordista mundial em cirurgias plásticas contabilizando cerca de um milhão e meio de operações por ano, sendo que deste número, 88% são mulheres que buscam correções estéticas.

A abdominoplastia pode restaurar os músculos enfraquecidos da região abdominal. A técnica consiste em retirar os excessos de pele e a reaproximação dos músculos abdominais que se afastam durante a gestação e assim permanecem após o parto. A cirurgia retira tanto o excesso de pele quanto de gordura na parede abdominal, além de estreitar a cintura com a reaproximação dos músculos. E ainda, juntamente com o excesso de pele também vão embora as famigeradas estrias.

O procedimento parece simples, no entanto é bom sempre lembrar que todas as intervenções cirúrgicas envolvem riscos e por isso a necessidade de recorrer a profissionais na área, neste caso, cirurgiões plásticos.

O procedimento da abdominoplastia dura em média quatro horas e os riscos maiores recaem sobre a trombofilia, quando a paciente apresenta tendência a desenvolver trombose venosa.

Por isso, deve ser avaliada as condições de saúde de cada paciente individualmente através de exames específicos. Também deve ser observado os cuidados pós-operatórios que exigiram repouso e curvatura do abdômen durante algum tempo, a fim de diminuir a tensão sobre a sutura. Isto significa que a paciente terá que se organizar com seu trabalho, cuidado com filhos etc porque ficará limitada em sua rotina habitual durante algumas semanas.

Nada tão difícil e que não compense a alegria de ter a autoestima renovada ao recobrar o contorno corporal.

Falando de novo, e mais uma vez, sobre a absoluta necessidade se checar a idoneidade do cirurgião plástico e que cada paciente deve ter as suas condições avaliadas individualmente, é fundamental que o profissional escolhido tenha treinamento comprovado e especialização pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e tenha também um bom histórico profissional.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
22 de Outubro, 2018
Depois da tempestade sempre vem a Bonança! - 103
22 de Outubro, 2018
Gesseiro ateia fogo em colega que fica com 70% do corpo queimado - 75
22 de Outubro, 2018
STJ anula julgamento dos irmãos que mataram Fedato - 173
22 de Outubro, 2018
Rapaz tenta matar avô da ex-namorada no São Francisco - 205
21 de Outubro, 2018
Batida frontal mata mãe e filha de Altair na SP 425 - 190


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites