iFolha - A gravidez na adolescência

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 17 de Dezembro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 17/12/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 12 de Março, 2018 - 17:25
A gravidez na adolescência

É de causar preocupação: cerca de 22% dos partos contabilizados em um ano são de adolescentes, segundo estatísticas do Ministério da Saúde.

Essa realidade preocupa autoridades em Saúde e deveria preocupar também a população em geral. O número apresentado (22%) é muito em tempos que a informação corre em velocidade alarmante, as campanhas preventivas são frequentes e os preservativos podem ser conseguidos gratuitamente nos postos de saúde administrados pelas prefeituras e pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Grávida sem estar física e emocionalmente preparada, o sofrimento da adolescente é grande, a começar pelos riscos à sua saúde. A menina nesta situação pode contrair hipertensão, anemia e infecção urinária; a desproporção entre a cabeça da criança e a pelves da mãe impede o parto normal, e ainda pode ocorrer parto prematuro, aborto, morte no parto, sendo que isto é a sexta causa de morte entre adolescentes, além do suicídio.

Estudos mostram a extrema dificuldade em adaptar-se à nova condição, gerando muita ansiedade, depressão e hostilidade.

E juntamente com isso, existem as outras consequências que marcam a vida da adolescente. Geralmente ela abandona a escola e seus projetos profissionais, afastando-se dos amigos, e ainda terá dificuldades sexuais no futuro. Sem o devido preparo, acaba sendo excluída do mercado de trabalho.

E o bebê que está sendo gerado? Muitas vezes, o exame pré-natal começa a ser feito tardiamente porque a gravidez é escondida da família o máximo possível, quando não chega ao parto sem nunca ter feito qualquer exame.

Devido às condições da mãe, o bebê pode nascer abaixo do peso e com doenças respiratórias, além de muitas vezes sofrer rejeição e até maus tratos. Esta é uma realidade dura e frequente. Infelizmente, a história da maioria das adolescentes que engravidam é essa. Claro, que uma parcela delas pode contar com o apoio da família, não abandona a escola e tenta seguir com seus planos iniciais, mas isso é a minoria.

O pai adolescente, quando assume a sua responsabilidade, também tem a sua vida modificada e o que acontece geralmente é ele abandonar a escola e seus projetos profissionais, uma vez que precisa trabalhar (e muito!) no que for possível, pois tem uma família para sustentar.

Nunca se divulgou tanto como evitar a gravidez não planejada. No entanto, continua alto o índice de gravidez na adolescência. A principal razão, aponta os especialistas, é que é comum o adolescente comportar-se de maneira inconsciente, imprevisível ou irracional. E ainda outros fatores, a cada década a primeira menstruação (menarca) tem vindo quatro meses mais cedo, aumentando o tempo de exposição da adolescente ao risco de gravidez, a irregularidade dos ciclos menstruais dificultam o planejamento; filhas de mães que iniciaram vida sexual precocemente ou engravidaram ainda adolescentes tendem a repetir a experiência; desagregação familiar, permissividade, falta de limites, de diálogo e confiança entre pais e filhos; irmãos mais velhos com vida sexual ativa.

Sem contar os fatores complicadores, como o exagero da erotização pelos meios de comunicação, especialmente a televisão; maior aceitação social do sexo antes do casamento e na adolescência; baixa escolaridade e desinformação de pais e adolescentes sobre reprodução humana e o uso correto dos métodos contraceptivos.

Triste realidade de muitas meninas por este Brasil afora.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
17 de Dezembro, 2018
Assista aos vídeos do programa Cidade em Destaque com Bruna Silva Arantes Savegnago e José Antônio Arantes na Rádio Cidade pelo Facebook – dezembro de 2018 - 39
16 de Dezembro, 2018
Comemoração em Dose Dupla - 106
16 de Dezembro, 2018
Mãe flagra as filhas com droga e chama a polícia - 159
16 de Dezembro, 2018
Operação policial prende 4 por tráfico no Santa Ifigênia - 185
16 de Dezembro, 2018
Estelionatário aplica golpe da venda de carro e leva R$ 11 mil de aposentada - 104


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       




























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites