iFolha - Sem Roberto Carlos o fim de ano não seria a mesma coisa!

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 26 de Maio de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 26/05/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 18 de Dezembro, 2017 - 17:04
Sem Roberto Carlos o fim de ano não seria a mesma coisa!

Nesta sexta o público vai se deleitar com todo o talento e o carisma do Rei com o especial “Esse Cara: Roberto Carlos”, que traz um repertório que vai dos clássicos a hits atuais e sucessos que não faziam parte do setlist do cantor há alguns anos / João Miguel Jr-RG



Na gravação que aconteceu no final de novembro, Roberto Carlos abriu a noite cantando “Força Estranha” e, em seguida, cumprimentou o público, emocionado / João Miguel Jr-RG

 

 

São mais de quatro décadas de um show que já virou tradição de fim de ano. E na próxima sexta-feira, dia 22, logo após a novela “O Outro Lado do Paraíso” o público vai pode conferir porque o talento e o carisma de Roberto Carlos ultrapassam gerações. No “Especial Roberto Carlos 2017”, que este ano tem o título de “Esse Cara: Roberto Carlos”, o Rei apresentará clássicos, hits atuais e sucessos que não faziam parte do repertório do cantor há alguns anos. Em um palco especial, com um cenário com piso de led e cercado por painéis iluminados, ele recebe a dupla Simone & Simaria, a cantora Erika Ender, e os cantores Djavan e Tiago Iorc, além da participação especial da atriz Isis Valverde.

Na gravação que aconteceu no final de novembro, Roberto Carlos abriu a noite cantando “Força Estranha” e, em seguida, cumprimentou o público, emocionado. “É um prazer rever vocês em mais um especial de fim de ano. Estamos juntos como sempre”, antes de cantar “Amigo”. Ao lado de Isis Valverde, fez um dueto inédito de “Emoções”, que comoveu a convidada. Roberto ainda cantou “Sereia”, música-tema da personagem Ritinha, interpretada pela atriz em “A Força do Querer”, deixando Isis lisonjeada pela oportunidade: “Roberto, você vai ficar para sempre na trilha da minha vida”.

A canção “Fera Ferida” antecedeu a parceria entre Tiago Iorc e Roberto, que apresentaram juntos no palco o clássico “É Preciso Saber Viver” e o sucesso “Amei Te Ver”. Ele cantou ainda “Detalhes”, “Desabafo” e “Outra Vez”, antes de chamar ao palco sua próxima participação, a dupla Simone & Simaria. As irmãs, que tinham o sonho de cantar com o Rei no especial, fizeram uma performance de “Quando o Mel é Bom, a Abelha Sempre Volta” e “Te Amo, Te Amo, Te amo”. “Roberto, você não tem ideia do que representa na vida das pessoas”, declarou Simaria ao Rei. “Nossa palavra é gratidão por estar vivendo este momento lindo”, completou Simone.

O público ainda se deleitou com as letras de “Falando Sério”, “Se Você Pensa”, “Que Yo Te Veja” e “Cama e Mesa”. Em seguida, Roberto Carlos recebeu o cantor Djavan para as canções “Pétala” e “As Curvas da Estrada de Santos” e depois apresentou, sozinho, “Côncavo e Convexo”. Aí foi a vez do sucesso “Despacito” invadir a gravação e agitar a plateia. Ao lado da compositora panamenha Erika Ender, ele arrancou aplausos ao cantar um dos hits do ano em Espanhol. O show terminou com “Esse Cara Sou Eu” e “Luz Divina”, pano de fundo para a tradicional entrega das rosas. 

A atração faz parte da programação especial de final de ano da Globo e novamente promete ser uma boa opção para a família às vésperas do  Natal. Mas Roberto Carlos é incansável e já se prepara para lançar novidades em 2018. O cantor revelou que pretende gravar uma canção de Ivan Lins. "Sou fã do Ivan e tem uma música dele que eu amo que é ‘Lembra de Mim’. Tenho até pensando em gravar essa música”, entregou o cantor em uma entrevista a Rádio Bandeirantes. Segundo o Rei, ele tem um critério rigoroso para a escolha das canções que interpreta. "Eu só canto aquilo que eu sinto realmente. Quando eu gravo de um outro compositor, tenho que sentir o que a música diz. Já deixei de gravar músicas muito bonitas porque eu não sentia realmente o que a música dizia. Acho que eu não conseguiria passar a emoção de uma coisa que eu não sinto na letra. Esse é um princípio básico para mim", declarou.

Além de ser um workaholic assumido, o músico é muito autocrítico em tudo o que faz. "Gosto de me ouvir, mas nunca me ouço de uma forma totalmente relaxada. Sempre me ouço analisando aquilo que estou cantando, se está bom mesmo, se gostaria de ter feito melhor. Relaxado mesmo eu não fico".

Roberto Carlos nasceu em 1941, na cidade de Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo. Transformada em números, a sua carreira chega à marca dos 100 milhões de discos vendidos, mas não foi com o seu atual estilo romântico que Roberto Carlos conquistou os primeiros sucessos. No ano de 1957 fundou com alguns amigos, entre eles, Tim Maia, o conjunto “Os Sputniks” dedicado ao rock; no ano seguinte, estava no grupo “The Snakes” ao lado de Erasmo Carlos. Em 1961 lançou o seu primeiro LP “Louco Por Você”. A partir daí passou a contar com o apoio da gravadora CBS e foi nesta época que estourou com os sucessos (em parceira com Erasmo Carlos) “Splish Splash”, “Calhambeque” e “É Proibido Fumar”, criando o primeiro movimento de rock no Brasil.

Em 1965 estreou, ao lado de Wanderléa e Erasmo Carlos, o programa “Jovem Guarda” na TV Record dando origem ao movimento musical de mesmo nome. Foi ainda nesta época que participou dos filmes “Roberto Carlos em Ritmo de Aventura”, “Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-Rosa” e “Roberto Carlos a 300 Km Por Hora”.

Nos anos 70, mudou seu estilo tornando-se um cantor e compositor basicamente romântico e o seu alvo passou a ser o público adulto.

Desde o ano de 1961, Roberto Carlos conseguiu a façanha de lançar um disco inédito por ano, interrompida apenas em 1999 por causa da doença de sua então esposa Maria Rita, que viria a falecer tempos depois.

O fã clube de Roberto Carlos é um dos maiores de todo o mundo. Dezenas de artistas já fizeram regravações de suas músicas o seu show anual é praticamente atração obrigatória na Globo.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
26 de Maio, 2018
Prefeitura adota racionamento do consumo de combustíveis - 59
26 de Maio, 2018
Leite e batata inglesa começaram a faltar na sexta-feira - 78
26 de Maio, 2018
Donos de postos de Olímpia apoiam a greve dos caminhoneiros - 92
26 de Maio, 2018
Combustíveis começaram a acabar na manhã de 6.ª feira - 84
25 de Maio, 2018
Folha tentou circular no dia 25 até o último instante - 146


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites