iFolha - Programa identifica mais casos positivos de sífilis e hepatite B

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 22 de Outubro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/10/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 10 de Dezembro, 2017 - 16:53
Programa identifica mais casos positivos de sífilis e hepatite B

A Campanha “Fique Sabendo” que foi promovida pela Secretaria Municipal de Saúde no período de 27 de novembro a 2 de dezembro, realizou 560 testes rápidos de HIV, Sífilis, Hepatite C e Hepatite B. A preocupação é que foram confirmados casos de sífilis positivos em 7 adultos e uma pessoa portadora de Hepatite B, duas doenças que normalmente são transmitidos através do relacionamento sexual e já deveriam ter sido excluídas dos registros da saúde pública.

De acordo com o balanço desenvolvido pelo setor de Vigilância Epide­mioló­gica, a 10.ª edição da campanha realizou 266 testes de HIV, sendo que nenhum caso positivo foi registrado; 262 testes de Sífilis, nos quais 7 adultos apresentaram a doença; 16 de Hepatite C, com nenhum caso registrado; e 16 de Hepatite B, sendo um morador identificado com a doença.

Os pacientes que foram diagnosticados com as doenças recebem o medicamento gratuito e são acompanhados pelo Centro de Testagem e Acon­selhamento (CTA) durante o tratamento.

A campanha visou realizar testes em pessoas sexualmente ativas, principalmente, as que nunca realizaram o teste de HIV e Sífilis. Além disso, buscou acessar e sensibilizar as pessoas mais vulneráveis ao HIV, uma vez que com o diagnóstico é possível acom­panhar todos os casos positivos até que cheguem à Unidade de Referência (CTA) para tratamento.

Segundo a secretária de Saúde, Sandra Regina de Lima, o diagnóstico precoce e o início do tratamento são mecanismos para diminuir a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

“O tratamento exige disciplina do paciente e os profissionais da saúde estão aqui para ajudá-los não apenas fornecendo medicamento, mas também orientando sobre a doença e como manter uma vida normal depois da infecção”, explica a secretária.

 



Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
22 de Outubro, 2018
Depois da tempestade sempre vem a Bonança! - 119
22 de Outubro, 2018
Gesseiro ateia fogo em colega que fica com 70% do corpo queimado - 87
22 de Outubro, 2018
STJ anula julgamento dos irmãos que mataram Fedato - 210
22 de Outubro, 2018
Rapaz tenta matar avô da ex-namorada no São Francisco - 247
21 de Outubro, 2018
Batida frontal mata mãe e filha de Altair na SP 425 - 212


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites