iFolha - Temer, Aécio e o país que se afunda na lama

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 20 de Janeiro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 18/01/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 22 de Outubro, 2017 - 19:52
Temer, Aécio e o país que se afunda na lama

Do Conselho Editorial

Para muitos brasileiros até outro dia o senador Aécio Neves era o referen­cial da honestidade e do combate a corrupção.

Participava de passeatas, fazia discursos inflamados da tribuna do Senado e caçava ladrões do erário e corruptos por to­do lado como se fosse fixação ou delírio.

Começou sua sanha an­ticorrupção após ter perdido a eleição e anunciado que não daria trégua ao governo eleito até que o mesmo fosse deposto, e foi.

Acenava com o sim­­plis­mo de que com apenas o combate efetivo a corrup­ção e algumas medidas imediatistas e po­pulistas a nação tomaria novos rumos e retomaria o crescimento.

Seu partido, o PSDB, que frequentemente fica em cima do muro, entrou de corpo e alma nesta a­ven­tura, se empenhou até que impediu a presi­denta eleita e passou a servir o novo governo tendo nomeado alguns de seus quadros no comando de ministérios.

Por outro lado, muitos dos eleitores e lideranças que endossaram a candidatura de Aécio candidamente passaram a acreditar que a tese “aecista” de que a mudança do gover­nante e o combate a cor­rupção bastariam para colocar o país de novo nos trilhos.

E, caso, todos fossem sérios e incorruptíveis como alardeavam, se o milagre da retomada do crescimento não acontecesse de pronto, aconteceria lentamente.

Posto Temer na cadeira e com a caneta nas mãos, após a destituição da detentora anterior do cargo por manobras contábeis conhecidas como pedaladas fiscais, uma das primeiras ações do governo foi exatamente legalizar as tais pedaladas.

Este fato por si só já deveria ter chamado a atenção dos bens intencionados de que o impeachment não passava de um golpe, um engodo visando entre outras coisas abafar os escândalos e extinguir as investigações.

A nomeação dos ministros do governo instalado foi para além de vergonhoso para quem publicamente afirmava que combatia a corrupção, tudo as claras e com o aval do partido tucano e de Aécio que indicaram ministros para participar do que passará a história como o governo mais corrupto da história da República.

De início, um dos promotores do golpe, Eduardo Cunha, Presidente da Câmara dos deputados a época dos fatos, que esperava se safar com o golpe foi preso por ser tido como o chefe da maior quadrilha política de todos os tempos, e preso permanece até hoje.

Vários ministros foram denunciados, viraram ré­us, ex ministros, assessores, deputados senadores e ex também amargaram e amargam prisão neste governo onde parece que a maioria é comprometida com o charco da corrupção.

O presidente da Repú­blica, pela primeira vez na his­tória brasileira foi duas vezes denunciado por, em tese, ter participado de falcatruas e atos de corrupção.

Não foi impedido de governar na primeira denúncia, por ter engraxado com cargos e emendas parlamentares a maioria dos deputados que se posi­cio­naram contra a autorizar a continuidade das investigações.

Agora, na segunda denúncia a ser apreciada vêm cooptando deputados com a mesma argumentação das emendas parlamentares e da oferta de cargos que por si só é de uma imoralidade sem fim.

No bojo de toda esta his­tória, entra o combatente da corrupção Aécio Neves, que pego em gravação pra lá de escandalosa teve teoricamente seu mandato de senador sus­penso e agora, vergonhosamente, após Temer ter liberado mais emendas parlamentares e cargos, de acordo com os bastidores, conseguiu impedir que a permissão para ser investigado pelo STF obtivesse maioria de votos no Senado.

Continua senador e presidente do partido do muro, o indefinido PSDB, até quando não se sabe.

Junta-se Aécio o ex combatente da corrupção a Temer, o homem cuja ponte se transformou em pin­guela, naquilo que se poderia chamar, se houvesse, sem generalizar, na vergonha nacional, como a provar que de combatente a corrupção nada tinham.

Se tinham ou tiveram alguma coisa em comum algum dia talvez seja o fato de serem adeptos da cor­rupção e conseguirem vender a ideia de seriedade.

Como a mentira tem perna curta ambos pagam o preço do que semearam e o povo que na sua maioria não tem memória vai assistindo a prisão dos que combatiam a corrupção e tendo a sensação de que quanto mais se prende mais se tem para prender, talvez, esta a razão para estancar as investigações, temor de que falte cadeias.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
18 de Janeiro, 2018
Lavrador desfere duas facadas em instalador de antenas em Severínia - 211
16 de Janeiro, 2018
Ladrões armados levam celulares e R$ 37 mil de agência de turismo no centro em pleno meio dia - 568
16 de Janeiro, 2018
Martines acredita que grande número de viroses é consequência do tempo e aumento de turistas - 234
16 de Janeiro, 2018
Delegado acredita que primeiro homicídio do ano pode ter sido execução ligada ao PCC - 638
15 de Janeiro, 2018
Olímpia tem vacina contra a Febre Amarela em todas as UBS - 203


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites