iFolha - Grécia, bom para quem quer unir o descanso às belas paisagens

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 27 de Maio de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 26/05/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 16 de Outubro, 2017 - 17:38
Grécia, bom para quem quer unir o descanso às belas paisagens

Creta é a maior das treze ilhas que compõem a Grécia. É banhada pelo azul do Mar Egeu e foi por lá que surgiu o Minotauro / GB Imagem




Mikonos é uma das mais badaladas ilhas da Grécia. Costuma ter gente bonita e animada, também é a preferida pelos famosos / GB Imagem


 




A Grécia é sempre um encanto e muitas vezes foi lembrada em novelas, filmes e livros; também é destino de famosos que deixam a correria dos grandes centros onde moram e refugiam-se em suas ilhas.

As origens da Civilização Grega datam de aproximadamente dois mil anos antes de Cristo, numa época em que no Norte da África, florescia o esplendor do Egito Antigo. Esses primeiros tempos ficaram conhecidos como o Período Micênico, que cobriu os anos de 1500 a.C  a 800 a.C. Alguns estudiosos o chamam, também, de Período Homérico, uma vez que, para compreendê-lo melhor, os poemas de Homero – “A Ilíada” e “A Odisseia” – foram fontes de grande valor documental.

A história dos gregos surgiu mais precisamente na região europeia dos Balcãs, entre os mares Jônico, Egeu e Mediterrâneo. Nessa vasta área, começaram a se fixar vários povos nômades de origem indo-europeia – entre os quais: aqueus, jônicos, eólios e dóricos. Não chegaram ao mesmo tempo, mas em diferentes momentos, às vezes marcados por guerras de dominação de um sobre o outro.

Os aqueus abriram caminho para o futuro Estado grego ao conquistar os cretenses – experiência que lhes permitiu assimilar parte de sua cultura. Essa fusão entre cretenses e aqueus resultou no surgimento da chamada Civilização Cretomicênica. Ao se estabelecerem no Balcãs, fundaram, entre outras cidades, a mais importante delas, Micenas.

Mais tarde, 200 anos depois, os dóricos, os jônicos e os eólios, outros povos helênicos, migraram para a Grécia Antiga, estabelecendo-se em Atenas, Esparta e outras.

Assim, o domínio aqueu na região acabaria subjugado pelos jônicos. Estes se impuseram nos Balcãs e fundaram Atenas. Depois expandiram sua dominação rumo à Ásia Menor, onde conquistaram as cidades de Mileto, Éfeso e Esmirna. Enquanto isso, os eólios fundaram Tebas e se integraram ao contexto da Civilização Cretomicênica.

Os gregos foram os principais artistas realistas da História, ou seja, foram os primeiros a se preocupar em representar a natureza tal qual ela é. Isso aconteceu em vários setores da arte e também da arquitetura. Não é à toa que o senso estético e as construções gregas marcaram uma época e até hoje servem de inspiração e são alvo de pesquisas e admiração.

A arte e arquitetura gregas do Século V a.C. têm sido foco de interesse popular e erudito, graças ao legado de prédios e esculturas desse período. Um dos maiores exemplos é a Acrópole de Atenas, que ainda encanta multidões de turistas e artistas.  

Apesar de não ser a única acrópole do mundo, a Acrópole de Atenas é a mais famosa de todas. Acrópole é um bairro central de uma cidade antiga da Grécia, semelhantes ao centro das cidades modernas. A acrópole contém sedes administrativas civis e religiosas, geralmente situadas em uma colina ou outro ponto de fácil defesa.

A Acrópole mais famosa da Grécia foi construída por volta de 450 a.C. sob a administração de Péricles, estadista grego. Foi dedicada a Atena, deusa padroeira da cidade. A maioria das estruturas da Acrópole de Atenas hoje é formada por ruínas. No entanto, várias ainda estão de pé, entre elas: Propileu, o Partenon, templo principal de Atenas; o Erectéion, templo dos deuses do campo; e o Templo de Atenas Nica, símbolo de harmonia do Estado de Atenas.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                

Atualmente cerca de quatro milhões, dos dez milhões de habitantes da Grécia, moram na capital Atenas, que como em todas as grandes capitais, sofrem com a poluição e o transito caótico. No verão a temperatura é muito abafada. Mas estes não são empecilhos para os turistas que querem conhecer esta maravilha, que mistura em suas atrações o presente e o passado.

Atenas é o ponto de partida para quem conhecer as maravilhas gregas. Uma sugestão de diversão são os bares do bairro de Lolonaki, onde os turistas podem sentar em mesas colocadas nas calçadas. Um dos bares mais agitados é o Jackson Hall, numa pequena rua chamada 4 Millioni. Tem três andares e, se quiser, dá para dançar ao meio-dia como se fosse duas da madrugada. Para comer frutos do mar, uma pedida é ir a Pireus, a 30 quilômetros do centro de Atenas. Na capital grega não deixe de entrar nas lojinhas da Plaka, com artigos de couro, casacos, cerâmicas, tapetes, anéis - os gregos trabalham eximiamente com ouro e, principalmente, prata.

Estando na Grécia não deixe também de conhecer Santorini, uma ilha vulcânica localizada no extremo sul do grupo das Cíclades, no Mar Egeu à cerca de 200 km da cidade de Atenas.  Com uma área total de aproximadamente 73 km², o local tem uma população de menos de 15 mil habitantes. A ilha deve o seu nome a Santa Irene, nome pelo qual os venezianos a denominavam. Era anteriormente conhecida por Kallisti, Strongili ou Thera, nome que ainda hoje ostenta em grego.

Além da ilha principal, Santorini tem nas suas proximidades diversos ilhéus, formando um grupo quase circular de ilhas, vestígio da grande erupção que despedaçou a ilha há aproximadamente 3.500 anos atrás. O grupo de ilhas é também conhecido por Tira.

E para encerrar lembramos que a Mikonos e a famosa Ilha de Creta também é parada obrigatória. Mikonos é uma das mais badaladas ilhas da Grécia. Costuma ter gente bonita e animada, também é a preferida pelos famosos.

Já Creta está localizada bem ao sul do mar Egeu, e é a mais distante de Atenas. Cercada por alguns mitos, o maior deles o do Minotauro, Creta é uma ilha com muitas facetas e muitos atrativos, desde praias incrivelmente belas a sítios arqueológicos importantíssimos. 

Gostou, então faça já as suas malas e boa viagem!


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
26 de Maio, 2018
Postos de combustíveis de Olímpia fecharam no sábado à tarde - 97
26 de Maio, 2018
Hortifrutigranjeiros e alguns produtos já começam a faltar em supermercados - 79
26 de Maio, 2018
Cidade em Destaque fez balanço das consequências da greve dos caminhoneiros em Olimpia - 68
26 de Maio, 2018
Santa Casa pode parar cirurgias eletivas se não receber oxigênio - 60
26 de Maio, 2018
Prefeitura adota racionamento do consumo de combustíveis - 94


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites