iFolha - Qual foi a última vez que você tomou vacina?

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 20 de Maio de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 20/05/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 16 de Outubro, 2017 - 17:31
Qual foi a última vez que você tomou vacina?

Quando o assunto é vacina, quase sempre a ideia é que somente as crianças precisam de vacinas, mas a realidade é bem outra.

As férias de final de ano estão chegando e já começam os preparativos para a viagem planejada durante o ano, mas ninguém se lembra de checar se o local a ser visitado é foco de alguma doença e quais seriam as vacinas necessárias para a prevenção. Doenças como o sarampo, por exemplo, voltaram a incidir e isso tem preocupado as autoridades sanitárias.

No Brasil, há uma segurança razoável da imunização contra o sarampo em crianças. Já em relação aos adultos não se pode dizer o mesmo. Isso se deve ao fato de a cobertura vacinal contra a doença ter sido intensificada no Brasil a partir do final da década de 80. Praticamente todos os bebês nascidos desde então foram vacinados, mas quem tem mais de 20 anos pode não ter recebido a dose e, assim, estar suscetível à contaminação.

Diante disso, o Ministério da Saúde recomenda às secretarias estaduais de municipais de Saúde que desenvolvam estratégias para intensificar a vacinação dos viajantes e dos profissionais da área de turismo. A vacina está disponível em qualquer posto de saúde, mas os próprios empresários de turismo, associações ou sindicatos do ramo podem procurar as representações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) das secretarias estaduais de Saúde e elaborar ações de vacinação para grupos específicos. Nesses casos, o PNI fornece doses da vacina para aplicação nos profissionais.

Erradicada do Brasil desde 1994, a poliomielite ainda ocorre em regiões que mantêm estreita relação turística e comercial com o Brasil, como é o caso da África. Para garantir a erradicação da doença, o Ministério da Saúde promove, em parceria com Estados e municípios, campanhas de vacinação contra a paralisia infantil, de forma a aplicar doses de reforço àquelas recebidas pelas crianças na rotina dos postos de saúde. Portanto, é importante manter o cartão de vacina da criança atualizado.

Outro flagelo é a febre tifoide; provocada pela bactéria Salmonella typhi, é uma doença transmissível associada a baixos níveis socioeconômicos, em especial às precárias condições de saneamento, higiene pessoal e ambiental. A infecção ocorre pela ingestão de água ou de alimentos contaminados com fezes humanas ou com urina que apresentem a bactéria S. typhi. Algumas vezes pode ser transmitida pelo contato direto (mão e boca) com fezes, urina, secreção respiratória, vômito ou pus de indivíduo infectado. A vítima elimina a bactéria nas fezes e na urina, independentemente de apresentar os sintomas da doença.

Os principais sinais e sintomas da doença são febre alta, dores de cabeça, mal-estar geral, falta de apetite, retardamento do ritmo cardíaco, aumento do volume do baço, manchas rosadas no tronco, prisão de ventre ou diarreia e tosse seca. O paciente deve receber tratamento ambulatorial, basicamente com antibióticos e reidratação. Em casos excepcionais, é preciso internação para hidratação e administração venosa de antibióticos. Sem tratamento antibiótico adequado, a doença pode ser fatal em até 15% dos casos.

Para se prevenir da doença, basta ferver ou filtrar a água antes de consumi-la, prevenir-se com higiene pessoal, saneamento básico e preparo adequado dos alimentos, evitar alimentação na rua e, se necessário, dar preferência a pratos preparados na hora, por fervura, e servidos ainda quentes.

E tem ainda o tétano, cujo reforço deve ser aplicado de 10 em 10 anos, mas que por isso mesmo, alguns adultos foram imunizados quando crianças e depois, nunca mais. Trata-se de uma vacina importante que fica esquecida.

Procure um posto de saúde e coloque a sua carteira de vacinação em dia. Este ainda é o melhor remédio.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
20 de Maio, 2018
Thermas supera parque da Disney e o terceiro mais visitado do mundo - 3
20 de Maio, 2018
Maestro João Carlos Martins e a Orquestra do Sesi apresentam concerto neste domingo - 14
20 de Maio, 2018
Livro didático adotado pela Educação gera mais uma polêmica no Facebook - 45
20 de Maio, 2018
Estaria tudo dominado na Casa da Aurora? - 67
20 de Maio, 2018
Saúde: um caos que não se resolve só com boas intenções e promessas - 37


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites