iFolha - Causos para sorrir; Ligação para o pai

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 25 de Fevereiro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 25/02/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 11 de Setembro, 2017 - 14:20
Causos para sorrir; Ligação para o pai

Ligação para o pai

A mãe pede ao filho que ligue urgentemente para o pai:

— Filho, diga para ele que o jantar sairá em uma hora mais ou menos.

— Pode deixar, mamãe.

— E aí? O que ele disse? Já vem?

— Já liguei três vezes, mãe.

— E ele não atendeu?

— Atendeu. Mas quem fala é sempre uma mulher.

— O que? Deixa comigo. Ele vai ver só quando chegar em casa.

Quando o pai finalmente aparece, a mulher começa imediatamente a gritar:

— Vem cá, filho! Conta o que a mulher disse para você no telefone!

— Ela disse: “o número para o qual você ligou encontra-se desligado ou fora de área de cobertura”.

 

Prova prática

Na primeira aula da semana, um professor novo resolve dar uma prova surpresa de Zoologia. Ele distribui amostras para serem examinadas pelas crianças. Um “aluno arteiro” estava atrapalhando os amigos e não prestou atenção nas instruções. O professor, irritado, coloca uma pata de passarinho sobre a carteira dele de diz:

— Examine isso e me fale qual é espécie, a qual família pertence e faça um resumo dos seus hábitos alimentares migratórios.

— Mas como vou saber tudo isso só de olhar para esse pé? — retruca o aluno.

— Vai levar um zero! Qual é o seu nome, e a que turma você pertence?

O aluno tira o sapato, mostra o pé e fala:

— Olhe e adivinhe!

 

Como o mar

O casalzinho namorava na praia:

— Sabe querido, quando olho pra você me lembro do mar!

— Por quê? Porque sou belo, violento, impetuoso, romântico...?

— Não, porque me dá enjoo!

 

Isca artificial

Um sujeito está pescando tranquilamente na beira do rio e de repente chega o Manuel e arma sua tralha bem ao lado.

Após 1 hora de pescaria, o sujeito já tinha pegado uns 10 peixes e o português nenhum. Então Manuel pergunta:

— Amigo como você faz para pescar tanto peixe?

O sujeito resolve sacanear o português e diz:
— Eu corto um pedaço do meu pênis e uso de isca. É a melhor que tem!

O portuga fica com aquela cara de desconfiado e continua pescando. Passados cinco minutos, o português pega um peixão de 10 quilos, tira o peixe da água e começa a arrumar as coisas para ir embora.

Então o sujeito pergunta:

— Já vai embora, Manuel? Agora que tá ficando bom...

— É que acabou minha isca! — responde o português.

 

Doença desagradável

O médico olha para o resultado do exame, torce o nariz, vira-se para o paciente, um sujeito franzino, humilde de dar dó, e fala:

— Huummm... esta sua doença não está me agradando nem um pouco!
E o sujeito, cabisbaixo:

— Sinto muito, seu dotô! Mas eu só tenho esta!

 

A velha surda

No meio da viagem, o casal de velhinhos para num posto de gasolina para abastecer o carro.

— Quantos litros? — pergunta o frentista.

— Encha o tanque! — respondeu o velhinho.

Nisso, a velhinha pergunta:

— O que foi que ele disse? — ELE PERGUNTOU QUANTOS LITROS EU QUERO COLOCAR NO TANQUE!

— Vocês estão indo pra onde? — perguntou o frentista, enquanto abastecia.

— Para Assis, vamos visitar uns parentes!

— O que foi que ele disse? — tornou a velhinha.

— ELE PERGUNTOU PARA ONDE NÓS VAMOS!

— Assis? — continuou o frentista. — Eu nasci lá! Cidade legal, cheia de mulheres bonitas!

— Que foi que ele disse? — tornou a velhinha.

— ELE DISSE QUE NASCEU EM ASSIS!

— Namorei com uma garota lá que se chamava Dalva — prosseguiu o frentista. — Linda de morrer, mas uma vadia! Deu pra cidade inteira!

— O que foi que ele disse? — tornou a velhinha.

— ELE DISSE QUE TE CONHECE.

 

A perna boa

Distraído, o sujeito vai atravessar uma linha férrea no mesmo instante em que o trem estava passando. Resultado: teve uma das pernas bruscamente arrancada.
Então, ele senta-se na calçada e se debulha em lágrimas:

— Justo a boa! Justo a boa!

Um dos transeuntes que observara o acidente, se abaixa para consolá-lo e percebe que a perna perdida era uma perna de pau.

— Meu amigo — diz ele. — Você tem de erguer as mãos para o céu. Você perdeu somente a sua perna de pau!

— Então — respondeu o homem, choramingando. — Justo a de peroba que me custou uma fortuna


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
25 de Fevereiro, 2018
Caso interdição do Tifany e irregularidades na maioria dos empreendimentos: quem deve ser responsabilizado? - 8
25 de Fevereiro, 2018
Geninho deputado federal seria a busca pelo foro privilegiado? - 15
23 de Fevereiro, 2018
Caminhão desgovernado atinge 3 veículos na Constitucionalista - 395
22 de Fevereiro, 2018
Prefeitura interdita Tiffany por falta de regularização na prefeitura. Hotel de 70 apartamentos estava registrado como um escritório - 357
22 de Fevereiro, 2018
Duas crianças e um adolescente são pegos furtando depósito do Bachega - 295


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites