iFolha - O celular e as rugas no pescoço

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 24 de Maio de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 23/05/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 21 de Agosto, 2017 - 19:51
O celular e as rugas no pescoço

O ato repetitivo de baixar a cabeça para digitar em dispositivos móveis provoca o dobramento também repetitivo da pele do pescoço. Ao longo do tempo, isso ocasiona no que está sendo chamado de “Tech Neck”, ou seja, rugas precoces no pescoço / GB Imagem



O ideal é levantar o celular até a altura dos olhos e evitar os movimentos repetitivos de abaixar a cabeça na hora de usar o celular ou outros dispositivos móveis / GB Imagem

 


Certamente você já viu – ou você conhece – um colar cervical, mas você sabia que os sulcos que o uso do celular causa na pele do pescoço também têm esse nome?

Pois é. O ato de frequentemente inclinar a cabeça para baixo a fim de olhar e manusear os dispositivos móveis está acelerando o processo de envelhecimento do pescoço, cuja pele é muito mais delicada. Tais movimentos repetitivos formam sulcos como “colares cervicais”.

Que coisa, não? Já não bastavam os radicais livres, efeitos nocivos do sol, tabaco, bebidas alcoólicas; agora o celular também pode ser agente de envelhecimento precoce.

O uso de dispositivos técnicos está acelerando o processo de envelhecimento em uma região difícil de tratar: o pescoço. O problema já tem nome, “Tech Neck”. A pele do pescoço é muito fina, praticamente sem glândulas sebáceas, com espessura próxima a dois milímetros, pouco hidratada e onde há grande movimentação natural pela própria dinâmica da região. A inclinação frequente da cabeça para baixo a fim de olhar o celular, tablet ou outro dispositivo, provoca sinais de envelhecimento mais rápidos. Essa é a explicação de especialistas em rejuvenescimento. Os movimentos musculares do pescoço realizados a todo o instante sejam voluntários como a laterização, extensão, inclinação para baixo ou mesmo na mastigação e fala produzem inicialmente pequenas linhas, que com o passar do tempo vão se acentuando.

O termo tem se tornado uma das novas preocupações, pois o constante dobramento da pele em movimentos repetitivos, característico da era das selfies, tem aumentado a procura por tratamentos preventivos e corretivos das rugas e linhas do pescoço.
Além disso, a área é quase sempre esquecida, mesmo para quem tem o hábito de cuidar do rosto. A própria característica local somada às agressões ambientais como água quente, frio, poluição, ar condicionado, sol, vento e o uso de perfumes contendo álcool e bijuterias podem provocar ainda mais ressecamento, vermelhidão e mudança da textura da região.

Uma dica importante é, mesmo quando mexer nos dispositivos, manter a cabeça em um ângulo de 0 grau e a postura alinhada. O celular deve ser erguido na direção dos olhos. Com relação aos cuidados diários, especialistas indicam o uso de sabonetes neutros ou loções de limpeza à base de ativos calmantes. As loções tônicas vêm na sequência e vão preparar a pele para receber o sérum tensor que pode conter ácido hialurônico de baixo peso molecular, antioxidantes, vitaminas e glicosaminoglicanas, além de substâncias que recuperem a volumetria da região. O protetor solar deve ter FPS 30 no mínimo e ser reaplicado após quatro horas no dia a dia. À noite, a região, após a higienização, pode receber água termal em jatos e após alguns minutos, usar vitamina C na forma de sérum, emulsão ou espuma associada a outras vitaminas como B5, E, F e alfa hidroxiácidos, alternando com nutritivos.  A toxina botulínica (botox) figura entre os procedimentos mais utilizados hoje para tratar as linhas de expressão que formam os colares horizontais. Além disso, tratamentos com lasers também apresentam bons resultados.

Tem ainda o microagulhamento de ouro com radiofrequência associado a Vitamina C, Ácido Hialurônico e Ácido Retinóico. Fale com seu dermatologista.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
23 de Maio, 2018
Ajudante para o carro e leva facada no pescoço - 355
21 de Maio, 2018
Orquestra do Sesi regida pelo maestro João Carlos Martins lota igreja da Matriz às 11 horas do domingo - 171
21 de Maio, 2018
Luciano Zangirolami venceu a 16.ª etapa da Fórmula Inter domingo em Interlagos - 44
21 de Maio, 2018
No palco - 93
21 de Maio, 2018
A bolsa nossa de cada dia - 60


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites