iFolha - Justiça do Trabalho mandou parar terceirização na UPA

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 22 de Janeiro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/01/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 20 de Agosto, 2017 - 20:35
Justiça do Trabalho mandou parar terceirização na UPA

Ao julgar uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), de São José do Rio Preto, a Justiça do Trabalho, através do juiz Maurício Brandão de An­dra­de, mandou que a Prefeitura Municipal de Olímpia encerrasse a terceirização dos serviços prestados na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e pagasse o valor de quase R$ 51 mil relativos a custas do processo cujo valor da ação é de mais de R$ 2,5 milhões.

A ação está relacionada à prestação de serviço público de saúde, como serviços de pronto atendimento, que teria acarretado em irregular transferência de gestão e da execução de serviços públicos de saúde a terceiros, consultas médicas e procedimentos am­bulatoriais, terceirização esta, feita com o Instituto de Ges­tão de Projetos da Noroeste Pau­lista – GEPRON, sediada em Araçatuba.

Embora a decisão seja do dia 17 de março de 2016, somente na tarde desta sexta-feira, dia 18, é que o teor do texto chegou à redação desta Folha.

“Diante do exposto, nos autos da ação civil pública trabalhista ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho em face de Município de Olímpia, julgo procedentes as obrigações de fazer e não fazer, determinando ao município réu o cumprimento das seguintes obrigações”, cita o juiz em sua decisão.

Uma das obrigações, “incluindo, exempli­fi­cati­vamente, os serviços de pronto-atendimento e de realização, abster-se de praticar a terceirização de suas atividades-fim relacionadas à prestação de serviço público de saúde de caráter essencial e permanente à população, de consultas médicas, ainda que prestadas por médicos especialistas, e procedimentos ambulatoriais”;

Outra obrigação é de “afastar todos os trabalhadores intermediados pelo Instituto de Gestão de Projetos da Noroeste Paulista - GEPRON, ou por outra instituição que eventualmente tenha sido contratada em seu lugar, em até seis meses, a contar do trânsito em julgado da presente decisão”.

Além disso, cita que o “não cumprimento das obrigações acima determinadas, devidamente constatadas por auditoria do Ministério Público ou através de fiscalização do Ministério do Trabalho ensejaria o pagamento de multa diária no valor de R$ 500,00, por item descumprido, multiplicado pela quantidade de trabalhadores sujeitos à condição verificada.

Independentemente da interposição de eventual recurso ordinário, o município terá que pagar as custas do processo no valor de 50.532,59, calculado com base no valor dado à causa de R$ 2.526.629,60.

Como se recorda, a OSCIP - Organização da Sociedade Civil Pública, denominada GEPRON (Gestão de Projetos da Noroeste Paulista), foi contratada no ano de 2012, pelo ex-prefeito Eugênio José Zuliani, para que pudesse inaugurar às pressas, nas vésperas da campanha eleitoral de sua reeleição, para administrar a UPA.

 


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
21 de Janeiro, 2018
Pai reclama no rádio de agressão que o filho adolescente teria sofrido da polícia - 195
21 de Janeiro, 2018
Ladrões roubam o Posto de combustível próximo a Ribeiro dos Santos outra vez - 88
21 de Janeiro, 2018
Pai e filho são presos em flagrante por tráfico de drogas na Cohab III - 77
21 de Janeiro, 2018
Trabalhador pisoteado por um touro em estrada rural é transferido para Barretos - 192
21 de Janeiro, 2018
Mais de 20% da população de Olímpia pode viver em estado de plena pobreza - 61


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites