iFolha - Folclore, ao que tudo indica volta a brilhar

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 23 de Janeiro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/01/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Social
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Coluna do Ivo
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Olímpia FC - TV
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 13 de Agosto, 2017 - 23:30
Folclore, ao que tudo indica volta a brilhar

Do Conselho Editorial

Embora não tenha o mesmo brilho de anos atrás, pelos comentários positivos acerca da pretensão de ressuscitar o Festival Nacional do Folclore, parece que a pretensão começou bem sucedida.

Este jornal, ao longo dos anos, tem sido bastante crítico aos rumos dados ao festival que ano a ano se afastava da sua principal razão de existir, a questão cultural.

Faltava disposição política, vontade de levar avante um acontecimento que ganhou repercussão nacional e levou o nome da cidade pelo Brasil afora quando era apenas uma cidadezinha esquecida nos fun­dões do principal Estado do país.

O festival, por longos anos, foi recepcionado com elogios pela comunidade acadêmica em razão do desfecho da coleta de farto material nas pesquisas do professor José Santana com a apresentação de significativos grupos que representavam o que havia de mais autêntico na cultura popular.

Após o falecimento do folclo­rista, infelizmente, o festival foi perdendo alguns aspectos que fortaleciam sua presença no cenário cultural brasileiro e con­se­quentemente rompeu-se o laço que havia entre parte dos interessados e estudiosos da matéria e a festa que passou a ter características de quermesse.

O público oriundo de escolas perdeu interesse pelo festival e os expectadores que afluíam de todas as partes do país minguaram a medida que os anos passava e a desorganização aumentava.

A impressão que se tinha era a de que o poder público pre­ten­­dia sufocar o Festival até levá-lo a extinção natural por falta de investimentos e de público.

Algumas manobras grotescas e injustificadas foram tentadas na direção de torná-lo mais moderno ou fundido a questão turística, fruto do delírio de ditadores prepotentes que tratam o poder público como laboratório para suas experiências, a população como cobaia e o dinheiro público como capim.

Nada, como previsto, por óbvio que era, deu certo e o festival caminhava para seu desfecho.

Este ano, embora seja cedo para se avaliar, a questão do Festival do Folclore parece ter sido tratada com mais profissi­o­nalismo e o resultado é demonstrativo de que quando se faz com a intenção dos acertos, o número de equívocos é bem menor.

A resposta, considerando-se o número de elogios dispensados ao festival pela população nas redes sociais e na rua parece ter sido bastante positiva.

A divulgação foi feita a tempo das pessoas se organizarem para vir de outros lugares assistirem e participarem do festival; o público interno, com pequenas falhas, foi informado em tempo real acerca do calendário, número de grupos a se apresentar, palestras, debates, atrações diversas, barracas.

No conjunto, o que se observou é que houve mudanças significativas em relação ao sistema da festa retirando alguns ranços e burocracia que travavam alguns avanços.

O público compareceu ao que indicam as primeiras previsões, dando a entender, sem precipitações, que a possibilidade de resgaste e condução da festa a patamares de respeitabilidade é possível, caso se caminhe aperfeiçoando instrumentos que se petrificaram e necessitam de revisão.

Embora seja prematuro assinalar que o Festival tenha ressuscitado é possível afirmar que este ano deu mostras que havendo disposição e boa vontade do poder público, aliados a um trabalho sem amadoris­mo, as coisas acontecem como deveriam acontecer, de forma bem sucedida levando o nome da cidade através do Festival Nacional do Folclore, que ao que tudo indica, timidamente volta a brilhar.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
22 de Janeiro, 2018
Bumbum endoidado - 53
22 de Janeiro, 2018
Aproveite o Verão, mas cuidado com o sol - 37
22 de Janeiro, 2018
O CD Sambas de Enredo Carnaval 2018 está nas lojas - 34
22 de Janeiro, 2018
O filme IT: A Coisa chegou nas locadoras - 37
22 de Janeiro, 2018
Bolo de Laranja - 39


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites