iFolha - O efeito Chapecó

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 15 de Outubro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 14/10/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 11 de Dezembro, 2016 - 12:06
O efeito Chapecó

Euder Quintino de Oliveira

A tragédia sofrida pelo Chepecoense despertou um sentimento, uma virtude inerente à alma humana, a compaixão. O epicentro da onda que se propagou mundo afora foi na Colômbia, país que convive com guerrilhas há 40 anos e que seu presidente Juan Manoel dos Santos foi laureado com o Nobel da Paz.


O anseio pela paz, talvez tenha sido o adubo para o solo da compaixão neste povo.

Compaixão é compadecer com o sentimento do próximo colocando-se ao mesmo nível, não olhando de cima para baixo, que seria piedade ou dó. Compaixão não é de todo tristeza, é também regozijar-se  com as alegrias e vitórias do próximo. Compaixão vem do coração, vem de Cristo, vem do fundo d’alma, não é planejado, não quer nada em troca, não visa lucro ou benefícios, é amor puro. Não podemos confundi-la com simpatia programada, orientada por marketeiros,  propondo auxílio com segundas intenções de receber algo em troca. O povo colombiano despertou este sentimento, esta virtude, e a onda inundou o mundo tal qual um tsunami do bem. Ajuda e solidariedade, crias da compaixão, vieram de toda parte do mundo, um sentimento   prazeroso de poder ajudar.

Se pudermos manter nossos corações receptivos à compaixão não só nos momentos de tragédia, não só no mês natalino, aniversário da “compaixão em Pessoa”, poderíamos viver melhor. Medite nisso.

Em minhas orações peço que governantes governem com compaixão, que todos empresários administrem com compaixão, e que nós médicos tratemos nossos pacientes com compaixão, pois nem só de ciência se faz a medicina.

Deus há de prover boa morada aos que partiram e paz no coração dos que ficaram. E a vida segue, valendo a pena, segundo Fernando Pessoa, desde que a alma não seja pequena.

Dr  Euder é cardio­logista em Olímpia.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
14 de Outubro, 2018
Chuva forte traz de volta enchente no Olhos D’Água e inundação no sistema São Benedito - 225
14 de Outubro, 2018
Ladrões encapuzados levam celular e R$ 200 de frentista no “Rei do Suco” - 114
14 de Outubro, 2018
Ladrões furtam animais de grande porte pela 3ª vez do Canil Municipal - 83
14 de Outubro, 2018
Eleitor disse que votaram em seu lugar no Capitão Narciso - 133
14 de Outubro, 2018
Discussão com professor no Facebook vira caso de polícia - 279


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites