iFolha - Prefeito de Severínia assume que a cidade vive uma epidemia de crack

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 22 de Setembro de 2018
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 17/09/2018
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 13 de Julho, 2014 - 20:27
Prefeito de Severínia assume que a cidade vive uma epidemia de crack

Pelo menos aparentemente, ao contrário do que não vê em O­lím­pia, o prefeito de Severínia, Edw­anil Oliveira (foto), assume que pe­lo menos dois bairros daquela cidade estão vivendo uma epidemia de cra­ck, segundo a Polícia Militar, mas que ainda busca soluções através de programas específicos para combater o problema.

A Prefeitura Municipal classifica o problema como grave na pesquisa da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), mas não tem ainda projetos para combater o problema. “Vamos pensar uma estratégia para tratar dessa questão”, promete o prefeito.

De acordo com o jornal Diário da Região, de São José do Rio Preto, diante do avanço do crack pelas pequenas cidades da região, poucas prefeituras se armam para combater o problema. Quatro em cada dez municípios do Noroeste paulista não têm programas de combate ao vício devastador do crack. E, das cidades sem programas contra a droga, 28 têm incidências média e alta de dependentes, de acordo com levantamento da CNM, que é atualizado em tempo real pelas prefeituras.

Pa­ra Solange Nappo, pesquisadora do crack na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), há falhas no tratamento do vício, principalmente nas menores cidades. “É senso comum pensar que só a internação resolve. Mas o tratamento ambulatorial, de um modo geral, tem sido mais eficaz”, diz.

 O problema, segundo ela, é que pouquíssimas cidades contam com Centros de Atenção Psicos­so­cial (Caps): “Postinho de saúde não vai resolver. Tem de ser um local com profissionais habilitados para atender o dependente”.

Za­ca­rias tem nível alto de usuários de crack, segundo o levantamento do CNM. O prefeito, Ar­naldo Aparecido Dionisio, admite que o município não tem políticas específicas de combate à droga. “Mas temos trabalhos sociais para tirar a meninada da rua, o que ajuda a minimizar o problema das drogas”, disse.

MIGRANTES PARA CORTE DE CANA

Segundo o coordenador de Sa­ú­de de Gastão Vidigal, Sandro Pereira Rodrigues, a invasão de mi­grantes para o corte da cana em cidades dormitório da região, co­mo é o caso de Severínia, contribui para o problema da epidemia.

“Nessa população flutuante, muitos são usuários, até para dar conta do serviço pesado no canavial. Além disso, temos uma casa noturna que atrai esse tipo de problema”, explica.

 Por ano, a cidade de 4,4 mil moradores chegou a receber 2 mil nordestinos. Hoje, com a mecanização do corte, a migração reduziu para 1,2 mil.

De acordo com a CNM, a pre­feitura ainda não conta com um projeto de combate ao avanço do crack. Mas Rodrigues afirma que o município tem pro­movido palestras em escolas sobre os males do crack.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
17 de Setembro, 2018
Colhendo os frutos - 86
17 de Setembro, 2018
Óculos de sol: mais do que beleza, são uma necessidade! - 73
17 de Setembro, 2018
CD Baile do Nêgo Véio – Alexandre Pires chegou nas lojas - 60
17 de Setembro, 2018
O filme A Morte de Stalin chegou nas locadoras - 65
17 de Setembro, 2018
Patê de Queijo - 76


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       






























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites