iFolha - A crise bate a porta?

Ifolha - Folha da Região


Olimpia, 16 de Junho de 2019
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 16/06/2019
REGISTRE-SE
SUGIRA O SITE PARA UM AMIGO

 


Notícias
Arte e Cultura
Cidades
Comportamento
Economia/Turismo
Educação
Esportes
Falecimentos
Geral
Justiça
Polícia
Política
Saúde
Entretenimento
Bastidores/TV
Beleza
CD/Dicas
Cinema
Classificados
  - Casas
  - Carros
  - Motos
  - Diversos
Coluna da Bruna
Culinária
  - Doces
  - Salgados
Datas
Dicas
Empresas
Horóscopo
Humor
Livros
Notícias/TV
Novelas
Perfil/TV
Viagem
Viver Bem
Opinião
Artigos
Coluna do Arantes
Editorial
Zanoliando
Rádio / TV
Canal da Nicole
Radio iFolha
TViFOLHA

Ifolha

Olimpia, 16 de Fevereiro, 2014 - 14:08
A crise bate a porta?

Do Conselho Editorial

Muito evidenciado pela grande mídia que repercute o que pensam ideólogos, técnicos e experts do setor econômico, a crise provocada nos Estados Unidos pela bolha imobiliária poderia estar dando indícios de chegar ao Brasil.

Se, com a intensidade que balançou a economia americana e causou abalos na Europa não se pode adiantar, visto que há sinais de recuperação em alguns paises e notadamente nos Estados Unidos.

Recuperação, que se levado em conta a previsão do Brasil estar em breve entre as cinco economias mundiais, os reflexos poderão não ser tão significativos, se houver a crise, quanto foi em paises como a Grécia, Portugal, Espanha, Argentina para ficar em alguns exemplos.

O nível de desemprego nestes paises chegaram a patamares assustadores, a perda de poder aquisitivo da população foi bastante significativa e o reflexo deste período será sentido ainda por muitos anos; a recuperação será lenta e dependerá dos setores produtivos e da paciência da população.

Os naturais e os que buscavam estes paises em busca do Eldorado, de melhoria de qualidade de vida, alguns como no caso de Portugal, abandonaram o país ou voltaram para seus paises de origem.

  O Brasil neste período, com crédito junto a estes paises como solução econômica e porto seguro garantidor de emprego pleno e renda, foi intensamente buscado enquanto solução por aqueles cuja situação de empobrecimento era causada pela crise que abatia naquelas nações.

Entre os muitos, que observaram o crescimento real do consumo e a estabilidade do mercado, a ampliação do poder de aquisição da população, a massa empresarial também migrou para o espaço da América Latina onde o sonho e a esperança parece haviam despertado.

Houve um crescendo considerável da classe média e ampliou em muito o número de trabalho com carteira assinada, diminuiu relativamente o trabalho autônomo, e, pasmem os leitores que até parece esquecido do período que faltava emprego, faltou mão de obra especializada.

A inflação foi contida e controlada, os bancos tiveram lucros fenomenais, o setor sucroalcoleiro e os empresários também, já, os latifundiários que freqüentemente entregavam suas posses para pagamento de dividas a bancos estatais produziram e jogaram no mercado as maiores produções de grãos de todos os tempos.

Tudo fluía, e parece que flui de maneira grandiosa, discute-se a modernização de portos, estradas e aeroportos para fluição dos bens de consumo produzidos para abastecimento de outros paises e garantias de equilíbrio da balança comercial e ampliação do PIB.

Porém, observa-se no horizonte, uma nuvem mais cinza, demonstrativa de que o período de vento calmo, ar puro e mar tranqüilo se distanciam, se aproximam sinais de procela, tempestades, furacões, mitsunamis econômicos.

  Se antes as donas de casas na sua freqüência ao mercado não reclamavam dos preços praticados, hoje já torcem olhos e roem unhas na hora das compras.

Se não havia profissionais para se contratar na hora da necessidade pelos empresários, por conta do pleno emprego, já se encontra uma massa disponível no mercado.

Se não havia casas e terrenos para se vender em lugares privilegiados, ou pontos estratégicos para se alugar visando colocar um negócio qualquer, já há muitos imóveis a disposição.

E, se não havia muitos comerciantes e empresários reclamando da falta de lucros provocado pela baixa das vendas, pode se encontrar em alguns setores alguns que já se queixam e outros que abandonaram o mercado.

Se é crise ou não como afiançam especialistas da área econômica, técnicos e economistas, se vai ser do porte da que atingiu os EUA e os paises da Europa não se pode adiantar, pois isto dependerá das medidas econômicas que os governantes tomarem.

Algo, no entanto é certo, ela, a crise econômica, com seus terrores e temores está ai, se vai se ampliar, se veio para ficar, ou não, só o tempo poderá dizer, enquanto ele não se manifesta melhor guardar provisões, pois tempos difíceis podem estar acenando da janela.


Comentários - 0
Seja o primeiro a comentar
 
Ultimas Noticias
16 de Junho, 2019
Confeiteiro flagrado furtando chocolates em supermercado - 18
16 de Junho, 2019
Carro de idosos bate em animal bovino na rodovia perto do trevo de Severínia - 16
16 de Junho, 2019
Padrasto suspeito de estuprar criança autista em Severínia - 15
16 de Junho, 2019
Comerciante cai no golpe do falso primo e perde R$ 2 mil - 17
16 de Junho, 2019
“Amigos” desaparecem com carro emprestado - 17


Compartilhe: Facebook Orkut Twitter
       




























Site oficial do jornal Folha da Região de Olímpia | Fone: (17) 3281 6432
Desenvolvido por Infinity Web Sites